Notícias

Portuários de Santos dizem não à greve

Fonte: AssCom Sindaport / DCG



Reunidos em assembleia realizada na noite desta segunda-feira, na sede do Sindicato dos Empregados na Administração Portuária (Sindaport), os empregados da Companhia Docas do Estado de São Paulo descartaram qualquer prognóstico de paralisação das atividades no Porto de Santos no próximo dia 30.
 
Desta forma, a exemplo do que ocorreu no último dia 24 a greve nacional articulada pela Federação Nacional dos Portuários (FNP) mais uma vez não terá a participação dos portuários santistas. Na sexta-feira da semana passada, diversos portos nacionais administrados pelo Governo Federal tiveram suas operações suspensas pelo período de seis horas.
 
A greve parcial afetou os seguintes portos: Maceió, Vitória, Natal, Paranaguá, Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Niterói, Sepetiba, Vila do Conde, Belém, e os portos baianos de Salvador, Ilhéus e Aratu. A nova paralisação está prevista para ocorrer pelo período de 24 horas.
 
"A categoria optou pela continuidade das tratativas com Brasília, e por tal a greve está descartada", disse o presidente do Sindaport, Everandy Cirino dos Santos. Para o dirigente, a paralisação dos doqueiros de Santos poderia significar um grande retrocesso no âmbito negocial. 
 
O sindicalista esclarece que as conversas com a direção da Codesp e representantes da Secretaria Especial de Portos estão avançando gradativamente. "Traçamos metas e objetivos e aos poucos estamos obtendo alguns resultados satisfatórios", ressaltou.
 
Também vice-presidente da FNP, Everandy Cirino enaltece a luta da categoria nos demais portos estatais. "Apesar da não participação dos portuários de Santos, que momentaneamente se dá por motivos pontuais e estratégicos, queremos deixar registrado o nosso total apoio e solidariedade aos demais companheiros do país". 
 



Imprimir Indicar Comentar

Comentários (1)

Neide Costa
Data: 28/01/2014 - 22h21
Já passou da hora dos sindicalistas lutarem pelos direitos dos aposentados. O governo trata os iguais, de forma diferente, assim como faz a classe politica. Justiça já. Aposentado não é sinônimo de "morto". Que descaso!.


Compartilhe



Voltar